• Vegano Periférico

O veganismo não é um movimento elitista, ele está elitizado


Vamos esquecer esse veganismo romântico, essas fotos bonitas de blogueiras(os), esse glamour todo sobre o movimento vegano. Vamos esquecer isso e vamos pensar na indústria que assassina, tortura, esquarteja, sequestra e vende animais inocentes como produtos e que representa 99% de tudo que consumimos de origem animal.


Quando deixei de consumir produtos de origem animal não foi por moda, modismo, graça ou frescura, porque do contrário eu já teria abandonado isso aqui há muito tempo. Eu deixei de consumir porque eu não concordava e não concordo com a violência e a tortura desenfreada dentro dos abatedouros e granjas, não consigo imaginar que um animal inocente é assassinado e esquartejado pra eu comer um pedaço dele e achar isso normal, não faz o menor sentido pra mim, poderia fazer há 200 anos atrás, hoje não faz.


Não vem chapar achando que sempre tivemos o que comer em casa e hoje temos o privilégio de não comer, porque eu comi um pedaço minúsculo de filé mignon uma vez na vida e nem sabia o que era. Várias vezes o rango era miojo com ovo ou macarrão com salsicha. Use argumentos válidos que eu aceito e até mudo se me convencer.


O problema é que esse veganismo colorido que vende por aí através de uma caixa de hambúrguer "plant-based" está passando uma ideia completamente equivocada do que é ser vegano. O veganismo popular não é essa bolha chique não, se opor a crueldade de animais no mundo de hoje é uma missão, é um trabalho que deve ser encarado com seriedade. Porque um dia, muitos vão sentir vergonha de dizer que consumiam animais mortos e derivados por prazer e não por necessidade. Porém, ainda existem milhares que consomem sem saber o que se passa na indústria, então temos muito trabalho pra ficar se preocupando com a estética.

1 comentário